Notícias

notícias

Notícia

Inovação

Nuvem Autônoma e LegalTech foram discutidos no Serpro Talks

As duas edições do evento ocorreram em Brasília e no Rio de Janeiro
Serpro Talks discutiu Nuvem Autônoma e LegalTech
by Comunicação Institucional do Serpro — 02 de december de 2019

Com o intuito de impactar a sociedade, o Serpro concluiu o Serpro Talks com apresentação de duas edições do evento. O encontro foi promovido pela Superintendência de Educação do Serpro, e teve o propósito de compartilhar ideias e conhecimentos para disseminar insights provocados pela 4ª Revolução industrial, tanto na empresa quanto para a sociedade.

Trata-se de uma época caracterizada pelo desenvolvimento de tecnologias em áreas como genética, física, tecnologias e avanços digitais. Os impactos dessa evolução já são percebidos em diversos setores da sociedade e afetam o desenvolvimento dos mercados e negócios, as relações de emprego e as relações sociais e o Serpro, como empresa pública engajada na transformação digital, deve estar na vanguarda desse movimento mundial.

Nuvem autônoma

Os "superpoderes" da computação em nuvem foram apresentados na 2ª Edição do Serpro Talks com o tema Cloud Revolution, realizada no último dia 26, no auditório da Regional Brasília. A Superintendência de Educação (Suped) idealizou esse espaço de compartilhamento de ideias e cocriação de conhecimento, com a proposta de compartilhar ideias e experiências, a fim de disseminar insights para a empresa e para a sociedade.

Três palestrantes, especialistas do setor, revesaram-se para falar sobre deployment, automação, nuvem híbrida e outras plataformas como serviço, temas relevantes para a empresa, que desenvolve praticamente todas as soluções baseadas na tecnologia da computação em nuvem.

Nuvem Autônoma - a Próxima Revolução foi o tema abordado pelo engenheiro de Soluções da Oracle, Ilan Salviano. "O mundo tende a ficar autônomo. Por isso, os sistemas da plataforma da Oracle precisam funcionar sozinhos, com proteção e reparos automaticamente. O primeiro foco da Oracle foi o banco de dados e, para funcionar sozinho, ele tem de entender as pesquisas que são feitas, fazer as otimizações, manter o banco funcionando e oferecer segurança, informou Salviano.

"Os nossos clientes que adotaram nuvens autônomas tiveram redução fortíssimas de custo total de propriedade em média de 75%. Os sistemas autônomos promovem estabilidade, boa performance, preços competitivos, inovação e, consequentemente, os profissionais que inovam têm muito valor no mercado", acrescentou.

Automação com robô

Plataforma de Gerenciamento Cloud, Automação com Robôs, palestra defendida por Arthur Furlan, da empresa Configr, mostrou como a empresa está automatizando a infraestrutura de ponta a ponto, desde o processo de configuração até o gerenciamento do sistema. "Essa performance permite que micro e pequenas empresas utilizem a computação em nuvem, automatizada com robôs, por ser consideravelmente mais barata, de excelente qualidade e de fácil utilização.

Esse nicho de mercado ainda precisa ser conquistando, porque a Nuvem ainda não é realidade para as empresas de pequeno porte, o que representa 90% das empresas do país. "No entanto, é possível vencer esse desafio: a Configr, por exemplo, possui, atualmente, 1.700 clientes em 96% do território nacional, mais de dois mil servidores gerenciados, 44 mil aplicações. A empresa é uma dos 35 maiores provedores do Brasil, com uma equipe de 15 especialistas e  apenas um único analista de infraestrutura", informou Furlan.

Durante a apresentação de “O Caminho de Inovação no Setor Público com a Amazon Web Services (AWS)”, Bruno Silveira, afirmou que "computação em nuvem não é somente para startup ou empresas privadas. O setor público brasileiro já se deu conta das possibilidades de inovação que a computação em nuvem traz para alavancar políticas públicas, para atender melhor o cidadão".

LegalTech

O Tema LegalTech foi debatido na 3ª Edição do Serpro Talks, realizada no último dia 28, no Rio de Janeiro. LegalTech (ou lawTechs) é a forma como são chamadas as organizações que desenvolvem soluções tecnológicas no ramo do Direito.

"O objetivo do LegalTech é simplificar a rotina dos advogados, fazer a conexão entre os cidadãos e o Direito e modificar a forma como o Poder Judiciário atua. A escolha do tema levou em consideração o fato de tratar-se de um mercado novo, com grande possibilidade de prospecção e, ainda, pouco explorado no Brasil", informou o diretor Jurídico e de Governança e Gestão, Gileno Barreto, durante a abertura do evento.

Equilíbrio entre Oportunidade e Respeito à Privacidade nas Novas Tecnologias foi o tema defendido pelo assessor da Diretoria do Serpro, Ulysses Alves de Levy Machado, para a implantação da LGPD." Nos últimos 15 anos, o Serpro vem se dedicando ao tema privacidade em matéria de segurança da informação, Direito Digital, propriedade intelectual e, nos últimos três anos, com foco na proteção de dados e privacidade".

O Serpro Talks também apresentou as palestras sobre Legaltech, com o diretor-executivo da AB2L, Daniel Marques; Jurimetria, com o CEO da Data Lawyer; e Smart Contract, com o diretor de Novas Tecnologias no Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA), Daniel Becker.

Para saber mais sobre o evento, acesse aqui o site do SerproTalks.

Contato